Feeds:
Posts
Comentários

Archive for the ‘Artigos’ Category

Adoro a The School of Life.

Como o próprio nome diz, eles são uma “escola da vida”, voltados ao desenvolvimento da inteligência emocional com ajuda da cultura. Tive a oportunidade de visitar o escritório central deles em Londres, um local fantástico com espaço para palestras e cursos, e uma livraria com toda sorte de livretos, papéis de parede, coisas diferentes.

Curti muito a newsletter de hoje, com 5 formas para você fazer crescer sua empatia.

Leitura recomendada (em Inglês).

Empatize-se.

Fábio

 

(mais…)

Read Full Post »

O_lado_sombrio_da_tecnologia (page 1 of 3)

 

 

 

 

Li nas páginas amarelas da Veja de 9/1/13 uma entrevista com Susan Greenfield, renomada pesquisadora inglesa sobre os efeitos da tecnologia na mente humana.

Ela alerta para o fato de que, em excesso, estímulos da era digital – internet, redes sociais, msgs de texto, videogames e afins – provocam riscos para o cérebro, em particular de crianças.

Imersas no mundo virtual, passando horas a fio na frente de telas – TVs, smartphones, tablets, jogos portáteis, notebooks – em mundo virtuais formados por redes sociais, suas (nossas !) mentes estão sempre em estado de prontidão para responder rapidamente a um email ou msg de bate papo. Tal disponibilidade instantânea para os apelos digitais interativos, dominada pelo sentidos e não pela cognição, deixa a mente em estado semelhante ao provocado pelo Alzheimer ou mesmo pelo autismo.

Quem tem filho pequeno e vê o efeito das Galinhas Pintadinhas sabe do que ela está falando. Se por um lado é uma bênção para os pais (por calar e prender a atenção), por outro lado é fácil imaginar o contraponto … como bem diz a autora:

O cerne do problema é deixar de exercer, por causa da internet, outras atividades essenciais para o desenvolvimento do cérebro e para a manutenção da saúde mental. Passar 5 hs seguidas jogando videogame ou no Facebook pode ser bem estimulante, mas são cinco horas a menos para abraçar alguém, caminhar pela praia, conversar cara a cara com um amigo em um bar ou restaurante.

Crianças se formam subindo em árvores, sentindo o calor da luz solar no rosto, correndo atrás dos amigos em um parque. O perigo é satisfazer-se com um simulacro digital das sensações reais.

Pense na fábula da princesa presa na torre. Existe uma ENORME diferença entre a experiência de ler sobre Rapunzel em um livro e a de participar de um game em que o objetivo é resgatá-la. O livro apresenta à criança a narração plena da história da princesa. A vida dela faz parte de um contexto. Já no game a princesa é apenas um objetivo, não importa nem como ela chegou a ser aprisionada na torre, não se constrói em nenhum momento um vínculo emocional com a personagem, tampouco se discutem as questões éticas de aprisionar alguém ou as virtudes de caráter ou de coração do ato de salvá-la. A única coisa que importa é ganhar o jogo e passar de fase. Parece-me que são duas vias bem distintas.

Reflitam sobre isso antes de gastar dinheiro comprando um videogame pros seus filhos (ou para você), ou deixá-lo, desde criança, perdido e absorto num mundo virtual.

Aqui em casa, videogame não entra e o uso da Internet será restrito e supervisionado, com enfoque em leituras e materiais educativos.

E, com três cachorrinhas, a atividade é garantida. 🙂

Bjks,

Fábio

Read Full Post »

Uma vez ou outra, alguém manda um email com uma mensagem, vídeo, imagem(ns) que toca(m) fundo.

Em geral, tal conteúdo já estava disponível nos anais do Youtube, mas – inédito para quem não o conhecia, mas sempre  atual – e faz  valer a pena o restante da enorme quantidade de lixo que se recebe por email.

O tempo e a distância são como filtros da vida real para purificar as verdadeiras – eternas, desinteressadas, fidedignas, fraternas e humanas – amizades. Meus 2 anos de MBA na longínqua Califórnia fizeram exatamente isso.

Afora os familiares, que têm um lugar à parte na nossa vida e no nosso coração, sobram os amigos. Ah … os amigos, e as amigas ! Aqueles/as que você conta no dedo, de UMA, apenas uma !, das mãos. Se tiver que usar mais de uma mão, repense e conte novamente.

Chame-os de chegado, companheiro, camarada, conhecido, queridão, fera !, chapa, sócio, parceiro, chefe, colega … chame do que quiser, mas não se esqueça de saber diferenciar – ainda que só para você mesmo, intimamente – quais são os/as verdadeiros amigos/as.

Aqueles para quem vc ligaria só para chorar qdo souber que alguém muito querido morreu. Ou para dar em primeira mão uma boa notícia, como saber que vai ser pai ou que está de volta ao país depois de uma temporada no exterior.

E, quando uma dia receber uma ligação ou visita assim, saberá que figura numa lista seletíssima dos verdadeiros amigos.

Eu, qdo morrer, espero que meus amigos (re)leiam e (re)vejam o vídeo do imortal Vinícius de Moraes, na voz e interpretação do maravilhoso Rolando Boldrin.

Ore para que nós dois vivamos como quem sabe que vai morrer um dia

E que morramos como quem soube viver direito

A amizade só faz sentido se traz o céu para mais perto da gente.

E se inaugura aqui mesmo o seu começo.

E espero, assim, ter sido, continuar sendo e no futuro ser lembrado por ser “o seu amigo“,

Fábio

Read Full Post »

Uma longa adolescência

Há muito tempo não lia um texto TÃO bom.

Recebi o link para este artigo do Luli Radfahrer numa das newsletters da Fundação Estudar, e arquivei para leitura futura, só realizada agora.

Ele discorre de forma MUITO interessante sobre como o Futuro chegou, ou ainda, está chegando, já que vivemos uma espécia de adolescência deste futuro imaginado.

O parágrafo abaixo é uma pérola sensacional:

Alfabetizados à base de Aplicativos, Bluetooth e Compartilhamento Digital, as crianças que nasceram depois de 2005 são a maior evidência dessa transformação. Bem diferentes de seus pais e irmãos mais velhos, são incapazes de imaginar o mundo desconectado e têm dificuldade em diferenciar Deus do Google. Acima de tudo, não entendem o apego de seus pais a títulos, atitudes, relacionamentos, empregos, instituições e hierarquias que, para eles, não fazem o menor sentido.

Taí mais um que vai entrar pro meu rol restrito de escritores e follows no Twitter.

Espero que tb. gostem do texto.

*********************

Uma longa adolescência

 É incrível como o ambiente se transformou nas últimas décadas. Não é preciso ter cabelos brancos para lembrar da infância como um lugar distante, remoto, caipira. Entre os mais novos é comum a surpresa com a vida pacata de seus pais e avós em comunidades cuja maior rede de comunicação era a fofoca e a realidade mais próxima da Virtual era o Paraíso. Mesmo com eletricidade, TV e telefones, o mundo de 1982 ainda seria compreendido por alguém vindo de 1482.

Não mais. O Futuro, tão anunciado na segunda metade do século passado, parece que finalmente chegou. Presente e imprescindível, ainda que mal-distribuído, ele parece mágica. As inovações cotidianas, de Skype em celulares a chocolates belgas em pleno sertão, são tão rápidas que atordoam. Muitos cultuam Bill Gates, Steve Jobs ou Jeff Bezos, acreditando que a mudança seja invenção deles. Bobagem. Ninguém inventou a confusão, todos são cúmplices.

Alfabetizados à base de Aplicativos, Bluetooth e Compartilhamento Digital, as crianças que nasceram depois de 2005 são a maior evidência dessa transformação. Bem diferentes de seus pais e irmãos mais velhos, são incapazes de imaginar o mundo desconectado e têm dificuldade em diferenciar Deus do Google. Acima de tudo, não entendem o apego de seus pais a títulos, atitudes, relacionamentos, empregos, instituições e hierarquias que, para eles, não fazem o menor sentido.

No mundo que vem por aí não há lugar para absolutos. Tudo se torna cada vez mais relativo, medido por comparações. A ordem foi substituída por um Caos administrado, cheio de variáveis como um videogame. Originais foram trocados por pastiches, o coletivo perdeu importância para o personalizado, a contenção deu lugar ao hedonismo e o comportamento passivo e coletivo parece ter sido substituído por uma postura ativa, egocêntrica, insolente. O mundo offline está cada vez mais parecido com seu equivalente online. A vida continua a imitar a arte.

Sem alarde, a sociedade estática se tornou dinâmica, sujeitando praticamente todas as regras à experimentação. Não existe mais coisa de homem, de mulher, de criança ou de velho. A sexualidade se tornou apenas uma dentre as várias manifestações de uma identidade maleável, que se adapta a cada ocasião. As antigas correntes de pensamento foram combinadas em um ecletismo transmídia, em que hipsters meio intelectuais fazem Yoga em sessões de Pilates, assistem a Missa do Galo, se vestem de branco e atiram flores para Iemanjá.

Não há mais espaço para rótulos ou categorias. Blogs, Twitter, Facebook, YouTube e tantos outros não são revoluções: são a válvula de escape daqueles que, pela primeira vez, passaram a ter voz e influência. A Primavera Árabe e a ocupação de Wall Street mostram que há interesse em participação política, mas não da velha forma. Hoje que Direita e Esquerda fazem parte de um Centrão insosso e desinteressante, a manifestação social mudou de forma.

A Internet e o Celular aceleraram a transformação, ao eliminarem a crença no “amanhã” e colocarem todos em um presente contínuo, hermético, controlado por processos cada vez mais complicados, em que tudo parece mais próximo e transparente. Marshall McLuhan chamaria esse mundo pequeno de Aldeia Global, mas vilarejos são ambientes restritos e limitados, não há aldeia que comporte tantas tribos. Em comunidades fechadas todos queriam pertencer, hoje a regra é se diferenciar. Não há mais tempo para rituais e históricos, a identidade passou a ser externa e baseada em símbolos que mudam rápido. As credenciais são medidas pela informação consumida e exibida em atualizações em mídias sociais.

A mudança é grande e o trabalho para compreendê-la é exaustivo. Como nem todos estão dispostos a esse aprendizado, muitos criam rótulos. Chamam a nova conjuntura de pós-modernidade, de web 2.0, de sociedade do espetáculo, de realidade líquida. Nenhum desses rótulos consegue explicá-la a contento.

Vivemos hoje uma espécie de adolescência, fase turbulenta e necessária, característica de uma mudança de fase. Como a puberdade, não adianta criticá-la, ignorá-la ou classificá-la. É preciso assimilar suas mudanças para reconfigurar a forma de se comportar perante o mundo. Caso contrário a angústia, o estresse e o consumo só aumentarão. E as respostas não virão.

Feliz ano novo. Na beira do abismo que chamamos de Futuro, nada mais será como antes. O homem dos próximos séculos será, provavelmente, bem parecido conosco. Mas falará uma língua intraduzível. Para compreendê-lo é preciso entender a adolescência das interações. E aproveitar o máximo dessa fase para se preparar para o que virá pela frente.

Luli RadfahrerLuli Radfahrer é professor-doutor de Comunicação Digital da ECA (Escola de Comunicações e Artes) da USP há 19 anos. Trabalha com internet desde 1994 e já foi diretor de algumas das maiores agências de publicidade do país. Hoje é consultor em inovação digital, com clientes no Brasil, EUA, Europa e Oriente Médio. Mantém o blog http://www.luli.com.br, em que discute e analisa as principais tendências da tecnologia. Escreve a cada duas semanas no caderno “Tec” e na Folha.com.

Read Full Post »

Hoje completo quase 11 meses morando nos EUA. A experiência como residente – lendo o jornal, tomando o ônibus, indo ao supermercado, vivenciando o dia a dia – é bastante diferente daquela experimentada pelo turista eventual.

À parte outras semelhanças e diferenças, vantagens e desvantagens, em relação ao Brasil, algo positivo salta aos olhos de imediato: o respeito às leis. Faixas de pedestres são respeitadas, placas de Pare ensejam paradas (!), bebidas não são vendidas a menores de 21 anos,  ninguém fuma em público, ônibus priorizam idosos e cadeirantes.

A sociedade americana não é necessariamente melhor, mais educada ou civilizada que a brasileira: a diferença está em outro patamar: punição, em geral doendo no bolso e, em muitos casos, levando à prisão.

Não poderia haver melhor exemplo da enorme diferença entre os 2 países do que o contraste dos episódios Paloci (caseiro Francenildo) e Dominique Straus Kahn (camareira Nafissatou). Eu já tinha pensado em blogar sobre o assunto, mas não conseguiria me expressar melhor do que o texto de Augusto Nunes, na Veja, que compartilho a seguir.

Que um dia o Brasil possa atingir a condição civilizada de tratar efetivamente seus cidadãos sob a mesma lei.

Fábio, o esperançoso

O caseiro do Piauí e a camareira da Guiné

Augusto Nunes, Revista Veja

Nascido no Piauí, Francenildo Costa era caseiro em Brasília. Em 2006, depois de confirmar que Antonio Palocci frequentava regularmente a mansão que fingia nem conhecer, teve o sigilo bancário estuprado a mando do ministro da Fazenda.
Nascida na Guiné, Nafissatou Diallo mudou-se para Nova York em 1998 e é camareira do Sofitel há três anos. Domingo passado, enquanto arrumava o apartamento em que se hospedava Dominique Strauss-Kahn, sofreu um ataque violento do diretor do FMI e candidato à presidência da França, que tentou estuprá-la.

Consumado o crime em Brasília, a direção da Caixa Econômica Federal absolveu liminarmente o culpado e acusou a vítima de ter-se beneficiado de um estranho depósito no valor de R$ 30 mil. Francenildo explicou que o dinheiro fora enviado pelo pai. Por duvidar da palavra do caseiro, a Polícia Federal resolveu interrogá-lo até admitir, horas mais tarde, que o que disse desde sempre era verdade.
Consumado o crime em Nova York, a direção do hotel chamou a polícia, que ouviu o relato de Nafissatou. Confiantes na palavra da camareira, os agentes da lei descobriram o paradeiro do hóspede suspeito e conseguiram prendê-lo dois minutos antes da decolagem do avião que o levaria para Paris ─ e para a impunidade perpétua.

Até depor na CPI dos Bingos, Francenildo, hoje com 28 anos, não sabia quem era o homem que vira várias vezes chegando de carro à “República de Ribeirão Preto”. Informado de que se tratava do ministro da Fazenda, esperou sem medo a hora de confirmar na Justiça o que dissera no Congresso. Nunca foi chamado para detalhar o que testemunhou. Na sessão do Supremo Tribunal Federal que examinou o caso, ele se ofereceu para falar. Os juízes se dispensaram de ouvi-lo. Decidiram que Palocci não mentiu e que as contundentes provas do estupro eram insuficientes para a aceitação da denúncia.
Depois da captura de Strauss, a camareira foi levada à polícia para fazer o reconhecimento formal do agressor. Só então descobriu que o estuprador é uma celebridade internacional. A irmã que a acompanhava assustou-se. Nafissatou, muçulmana de 32 anos, disse que acreditava na Justiça americana. Sempre jurando que tudo não passara de sexo consensual, o acusado foi soterrado pela montanha de evidências e, depois de trocar o terno pelo uniforme de prisioneiro, recolhido a uma cela.

Nesta quinta-feira, Francenildo completou cinco anos sem emprego fixo. Até agora, ninguém se atreveu a garantir a estabilidade financeira do caseiro que ousou contar um caso como o caso foi. No mesmo dia,  Palocci completou cinco dias de silêncio: perdeu a voz no domingo, quando o país soube do milagre da multiplicação do patrimônio. Pela terceira vez em oito anos, está de volta ao noticiário político-policial.
Enquanto se recupera do trauma, a camareira foi confortada por um comunicado da direção do hotel: “Estamos completamente satisfeitos com seu trabalho e seu comportamento”, diz um trecho. Estimuladas pelo exemplo da imigrante africana, outras mulheres confirmaram que a divindade do mundo financeiro é um reincidente impune. Nesta sexta-feira, depois de cinco noites num catre, Strauss pagou a fiança de 1 milhão de dólares para responder ao processo em prisão domiciliar. Até o julgamento, terá de usar uma tornozeleira eletrônica.

Livre de complicações judiciais, Palocci elegeu-se deputado, caiu nas graças de Dilma Rousseff e há quatro meses, na chefia da Casa Civil, faz e desfaz como primeiro-ministro. Atropelado pela descoberta de que andou ganhando pilhas de dinheiro como traficante de influência, tenta manter o emprego. Talvez consiga: desde 2003, não existe pecado do lado de baixo do equador. O Brasil dos delinquentes cinco estrelas é um convite à reincidência.
Enlaçado pelo braço da Justiça, Strauss renunciou à direção do FMI, sepultou o projeto presidencial e é forte candidato a uma longa temporada na gaiola. Descobriu tardiamente que, nos Estados Unidos, todos são iguais perante a lei. Não há diferenças entre o hóspede do apartamento de 3 mil dólares por dia e a imigrante africana incumbida de arrumá-lo.

Altos Companheiros do PT, esse viveiro de gigolôs da miséria, recitam de meia em meia hora que o Grande Satã ianque é o retrato acabado do triunfo dos poderosos sobre os oprimidos. Lugar de pobre que sonha com o paraíso é o Brasil que Lula inventou. Colocados lado a lado, o caseiro do Piauí e a camareira da Guiné gritam o contrário.

Se tentasse fazer lá o que faz aqui, Palocci não teria ido além do primeiro item do prontuário. Se escolhesse o País do Carnaval  para fazer o que fez nos Estados Unidos, Strauss só se arriscaria a ser convidado para comandar o Banco Central. O azar de Francenildo foi não ter tentado a vida em Nova York. A sorte de Nassifatou foi ter escapado de viver num Brasil que absolve o criminoso reincidente e castiga quem comete o pecado da honestidade.

Read Full Post »